Resenha | Lucifer prova que a Netflix conseguiu evoluir a versão desacertada do diabo

Postado em
Atualizado em

Categoria: Artigos, Review, Series

Compartilhe:

Abandonada pela FOX no ano passado, a série Lucifer voltou em sua 4 temporada pela Netflix. A Netflix por sua vez, manteve a essência da série, mas arriscou pra valer em efeitos e personificação do ator principal Tom Ellis. O seriado conta 10 episódios com aproximadamente 55min cada um.

Quem assistiu ao último episódio da terceira temporada, ficou mega ansioso para a temporada posterior, como citamos a FOX soltou a bomba em maio de 2018, dizendo que não iria mais produzir a série. Houve uma comoção nas redes sociais com a utilização da hashtag SaveLucifer tanto da parte dos atores, quanto dos fãs para que a série não acabasse da maneira que acabou, sem um final.
Por sua vez a Netflix em junho de 2018 assumiu o seriado, mas sem muitos holofotes, os fãs aguardavam por data de estreia, trailer, mas não havia indícios de nada. Somente neste ano de 2019 a marca liberou dois trailers, porém os atores são bem engajados, e estavam dando alguns spoilers por redes sociais, com a introdução de novos personagens e uma nova história.

Sem mais delongas, vamos ao que interessa o primeiro episódio é a continuidade da terceira temporada, se tratando ainda de casos do dia a dia, rotinas na delegacia, porém Chloe (Lauren Christine German) agora sabe a verdadeira identidade de Lucifer (Tom Ellis), por fora ela está bem tranquila, mas por dentro são muitas dúvidas que ainda pairam, entretanto ela permanece firme sem deixar que ele perceba o temor que ela está sentindo.

Lucifer está incomodado com esta história, ele não aceita que Chloe esteja “tranquila” com tudo o que ela viu. Já sabemos a quem ele vai recorrer – a sua psicóloga ou a psicóloga de quase todo o elenco.
O papel de Linda (Rachael Harris) ainda é forte na trama, os autores prepararam uma nova história e saíram da mesmice dos episódios anteriores, colocando mais energia na personagem, ela é sempre muito racional no que fala, e acaba passando uma lição aos seus pacientes nas consultas realizadas. Mas Lucifer é um paciente fora do comum como todos sabem, e entende da maneira que melhor lhe convém.

Neste espaço temos Amenadiel (D.B. Woodside), que nesta temporada começa a aceitar a humanidade, ainda inocente ele não tem a malícia de viver na terra com pessoas do bem e mal. Em um dos episódios o anjo vai ter um encontro inesperado, uma luta para proteger aos que ele ama. A surpresa fica para ele e para o expectador. Nesta luta vemos o padrão Netflix em efeitos visuais e técnicos, que ficou em um nível acima do que estamos acostumados com a série.

Na temporada atual temos histórias para todos os personagens, Maze (Lesley-Ann Brandt) continua sendo a queridinha na minha opinião, com o carisma da atriz e com a soma da evolução valiosa na atuação como demônio e braço direito de Lucifer, ela está mais independente, bem afetuosa, e acostumada com os humanos. A personagem está se redescobrindo sentimentalmente, e criando laços ainda maiores com os demais personagens.

Dan (Kevin Alejandro) continua um personagem frustrado, ainda mais com a morte da Charlotte (Tricia Helfer), ele sempre procura uma desculpa para culpar Lucifer desta perda, é aceitável a dor que ele esteja sentindo, porém acredito que ainda falte alguma coisa para que ele permaneça na série, ele continua fazendo estrepolia como nas temporadas anteriores, que acaba irritando o expectador.
Este é o mau de só conter 10 episódios, é um grupo muito grande de atores talentosos e ótimos personagens, por isso a impossibilidade de levar a história das HQ’s para um seriado.

Diante de alguns acontecimentos, Ella (Aimee Garcia)  que é muito religiosa, acaba perdendo sua fé, são muitas decepções sofridas e nem ela sabe ainda o real motivo. Ela continua sendo referência para outros personagens, mas ao longo do caminho cai em si e acredita que a força vem do próprio ser humano. Esta foi a maior mudança na personagem, que continua muito positiva, porém realista e a sua irreverência é engraçada, graças ao talento da atriz.

Romance?

Quem assistiu aos trailers percebeu que temos uma nova personagem, direto do Jardim Éden, Eva  (Inbar Lavi) veio para causar em Los Angeles e também apimentar o relacionamento de todos os personagens da série, na minha opinião foi uma excelente escolha tanto do personagem bíblico quanto da atuação da atriz, e podem acreditar não é cansativo como foi a história de seu filho Caim.

Eva veio para despertar o lado mais antigo de Lucifer, desde a sua interação com ele no jardim, do outro lado temos Chloe mais humana, querendo trazer o lado “bom” de Lucifer, Chloe foi tão bem encaixada na trama nesta temporada, acredito que com o trabalho do diretor e dos roteiristas, eles finalmente descobriram o que fazer com a personagem em uma temporada completa, ela tem o seu lado policial, afetivo, familiar, mas também está na vida de Lucifer, mas será que ela está como par romântico desta vez?

O diabo na sua melhor versão…

Finalmente vamos a grande estrela do seriado Tom Ellis realmente mudou da água para o vinho, tanto em sua atuação quanto na personificação no personagem Lucifer, quando vocês assistirem, temos de cara um ser celestial, imponente que está acima dos humanos, tanto ele quanto seu irmão. Os seres celestiais foram bem introduzidos, mostrando sua superioridade entre os humanos, tanto no intelecto quanto no físico.
Nesta temporada temos a melhor versão do Lucifer   que poderíamos imaginar, ele não é apenas (fanfarrão) como nas primeiras temporadas, aqui temos um personagem que mostra seus poderes e sabe controlá-los como ninguém.

Lucifer ainda está no dilema da aceitação de seu título dado durante eras, onde toda a responsabilidade das ações dos humanos foram delegadas a ele. Tom evoluiu tanto em sua atuação como personagem, que dificilmente consigo enxergar outro ator fazendo o seu papel.
A mudança para a Netflix trouxe não apenas melhorias da qualidade visual, mas mostrou como Lucifer é brutal, nas temporadas anteriores tínhamos apenas flashes ou podemos dizer vislumbres de como eram seus verdadeiros poderes, mas agora com o investimento maior da Netflix, temos como resultado – melhores efeitos para o personagem principal e a introdução de novos cenários, e finalmente vimos a verdadeira face do diabo.

Conclusão

O conjunto da obra está realmente incrível, desta vez temos história, os diretores souberam aproveitar o talento dos atores, trouxe energia para os personagens, despertou a atenção dos expectadores na trama, foram 10 episódios bem aproveitados, na minha opinião se tivessem colocado mais 2 episódios veríamos a evolução de alguns personagens que desta vez ficaram um pouco de lado. Com o final um tanto intrigante, resta saber se teremos uma quinta temporada.

 

Todos os episódios da Quarta Temporada de Lucifer já estão disponíveis na Netflix

Nota: 9,0

COMENTÁRIOS

Loading Facebook Comments ...
Very Traffic