Análise | Após oito meses de lançamento, ‘Sega Genesis Mini’ ainda proporciona um investimento valioso

Postado em
Atualizado em

Categoria: Games, Review

Compartilhe:

Se o universo do vídeo game é composto de alta tecnologia que vão de gráficos ultra detalhados a narrativas dignas de cinema, isso é devido a um grupo de pessoas muito organizadas e dedicadas a um trabalho de alta complexidade.

A resposta a essa dedicação é uma indústria competente que movimenta bilhões em dinheiro e uma das comunidades mais apaixonadas à própria causa e que ganharam (a ainda ganham) um espaço de respeito entre as pessoas.

Senta que lá vem História…

A comunidade gamer que hoje se encontra bastante estruturada foi formada por identidade e pelo consumo de produtos que trazia todo o perfil de uma empresa juntamente com seus produtos. Em um momento em que as companhias se enfrentavam pela preferência do público e pelos bits de potência, Sega e Nintendo travaram uma conhecida batalha que definiu toda uma geração de gamers atuantes até o presente momento. Seus produtos carismáticos, e que ganharam fama internacional, são ícones carinhosamente lembrados, mas que foram eventualmente substituídos por uma era de forte tecnologia e novos modos de jogar.

A versão em miniatura do eterno Mega Drive foi lançada em 19 de setembro de 2019 em diferentes versões dependendo da região e tem como principal objetivo celebrar os 30 anos do console trazendo em forma de jogos e riqueza de detalhes uma experiência especial. Para efeito de ocasião, vale destacar que o aparelho é uma produção da própria Sega que há muitas décadas se afastou da produção de hardware para se dedicar aos jogos e retorna pontualmente neste projeto para honrar e legitimar sua história de sucesso.

Apresentação

O Sega Genesis Mini é um produto claramente direcionado ao público old school gamer e colecionadores entusiastas de plantão podendo gerar interesse na nova geração de jogadores. Entretanto, as referências propostas e toda a carga de nostalgia será compreendida quase que exclusivamente pelo público a qual se direciona uma vez que é um vídeo game com uma proposta de provocar lembranças, jogar algumas partidas e guardar novamente na caixa como item de relíquia. Durante muitos anos, a Sega deixou essa tarefa de provocar nostalgia a cargo da AT Games que, apesar das críticas, cumpriu bem essa tarefa. Com um faturamento que ainda conta com a venda de seus clássicos, a empresa japonesa aposta na onda de consoles retrô em miniaturas seguindo os passos da Nintendo e da Sony entregando um produto de alta qualidade e que prova que a marca ainda tem muito know how.

O Mega Drive mini traz um pacote completo e pronto para jogar seguindo as técnicas de seus concorrentes e é uma experiência de nostalgia que começa desde a caixa até a biblioteca de 42 jogos selecionados sendo 2 deles inéditos que completa o aspecto de celebração do console.
A embalagem é uma representação fiel da caixa de 1989 que acompanhava o sistema nos EUA de cor preta e com o emblemático fundo quadriculado que representa toda a identidade da marca que foi utilizada tanto Mega Drive quanto no Master System. Ásia e Europa tiveram modelos de caixas diferentes que seguem o modelo adotado na época pelos países de seus respectivos continentes e busca trazer fidelidade ao que foi lançado sempre mantendo o tom de nostalgia.
No interior da embalagem encontra-se o vídeo game, dois controles clássicos de três botões, um conector de força com cabo conector, um cabo HDMI e o manual, tudo bem embalado e organizado sem os tradicionais isopores da década de 90.
O console em si é 55% menor que o Mega Drive original, pesa por volta de 700 gramas e tem cumprimento de 10 polegadas sendo um pouco maior que um celular da geração atual. O design é idêntico ao original e conta com os botões power (on/off), reset, botão de volume para fones de ouvidos (somente representativo), slot para cartuchos com tampa abre e fecha, o slot de conexão para o Mega CD (também representativo).
As inscrições permanecem as mesmas e apresentam o 16 BITS em letras douradas, “High Definition Graphics ao redor do slot, o logotipo SEGA Genesis ao centro e a luz vermelha de indicação de funcionamento.

 

Na lateral, está a saída HDMI que reproduz os jogos com mais definição e a entrada do cabo conector de energia elétrica. Com a autonomia de possuir uma conexão própria de energia e pelo pouco peso, o mini console da Sega pode ser levado para qualquer lugar e ser conectado na maioria das televisões que possuem a entrada de alta definição garantindo diversão com praticidade.
Ao ser ligado, o vídeo game apresenta um belo layout com os títulos disponíveis para jogar bem como alguns detalhes de muita delicadeza que fazem toda a diferença em uma experiência de nostalgia.

Trilha Sonora

O tema musical tocado no menu principal é uma composição original de Yuzo Koshiro que produziu os temas de jogos como Street of Rage e The Revenge of Shinobi e foi composto com o mesmo chip sonoro do aparelho original. A compilação traz vários arranjos dos jogos da época como a famosa bateria da abertura de Sonic The Hedgehog e uma alusão ao tema de Star Light Zone que é a primeira batida a ser executada ao iniciar o sistema e proporciona emoção para aqueles que reconhecem na música toda a história de uma geração.
A lista de jogos pode ser organizada pelo ano de lançamento, pelo gênero, pelo número de jogadores e pelas bordas como se os jogos estivessem alinhados lado a lado e uma prateleira. O detalhe mais impressionante, no entanto, é a possibilidade de trocar a língua do sistema entre as oito disponíveis que, em geral, é somente um protocolo de localização, mas no console miniatura não só o idioma é alterado como também as capas dos jogos lançados na respectiva região onde a língua é falada. Isso significa dizer que a ilustração da capa de World of Illusion, por exemplo, é diferente no Japão e na Europa quando comparada com a versão norte americana mostrando que a Sega prezou pelos detalhes e pelo capricho ao recontar sua própria história.

Títulos Variados

As opções de customizações incluem o download dos avisos de saúde segurança, o formato de tela que pode ser em Widescreen ou tela cheia além do CRT Filter ou Cathode Ray Tube que é um recurso que simula a resolução de imagem reproduzida pelas antigas televisões de tubo. Neste modo, a imagem do jogo ganha os famosos “risquinhos” que marcaram o visual dos games da época e não são reproduzidos em imagens com mais definição como é o caso das resoluções HD, 1080p e 4K. Além dos formatos de tela, três papéis de parede estão disponíveis para enfeitar a tela Wide sendo uma delas com o mascote da empresa que lembra vagamente (pelo menos para o redator) o final de Sonic the Hedgehog do Master System. É possível também obter as notificações legais do aparelho, os créditos da equipe e a possibilidade de restaurar os padrões de fábrica, tudo organizado e de fácil acesso.

Sendo um console plug and play, o mini Mega Drive oferece uma biblioteca de gêneros variados que objetivam contar a história do sistema pelos jogos de sucessos que foram entregues durante seu período de atividade. É possível dizer que a Sega fez uma escolha equilibrada ao selecionar títulos que estão até hoje na memória de muita gente como Sonic 1 e 2, a famosa linha de jogos Illusion da Disney com Castle of Illlusion e World of Illusion, o ícone da aventura ToeJAm & Earl, Alex Kidd in Enchanted Castle, e eternos clássicos como Strret of Rage 2 e Street Fighter 2. Os dois títulos considerados exclusivos por não terem sido lançados para o sistema na época são Tetris e Darius que mostra uma atenção da Sega em oferecer qualidade e ao mesmo tempo trazer alguma novidade que justifique o investimento feito. Entretanto, os demais títulos disponíveis no catálogo possuem um brilho próprio e certamente vão chamar a atenção pela proposta e diversão que proporcionam. Todos os manuais estão disponíveis no site oficial e podem ser baixados em PDF e são uma agradável lembrança de como os jogos eram introduzidos ao jogador. Vale a pena procurar o manual de ToeJam & Earl e conferir a letra do rap espacial que foi escrita para o jogo que era um detalhe incrível para a época e uma grande emoção no momento presente.
Todos os jogos do sistema rodam com fluidez e na mesma velocidade de seus originais sem a presença de lags, engasgamentos ou problemas técnicos mais perceptíveis como alteração de texturas gráficas por falta de suporte de um processador adequado ou alteração de texturas gráficas por falta de suporte de um processador adequado ou mesmo distorção das músicas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Lista de jogos

Alex Kidd in the Enchanted Castle
Alisia Dragoon
Altered Beast
Beyond Oasis
Castle of Illusion Starring Mickey Mouse
Castlevania: Bloodlines
Columns
Comix Zone
Contra: Hard Corps
Darius
Dr. Robotnik’s Mean Bean Machine
Dynamite Headdy
Earthworm Jim
Ecco the Dolphin
Eternal Champions
Ghouls ’n Ghosts
Golden Axe
Gunstar Heroes
Kid Chameleon
Landstalker
Light Crusader
Mega Man: The Wily Wars
Monster World 4
Phantasy Star 4: The End of the Millennium
Road Rash 2
Shining Force
Shinobi 3
Sonic the Hedgehog
Sonic the Hedgehog 2
Sonic Spinball
Space Harrier 2
Street Fighter 2: Special Champion Edition
Streets of Rage 2
Strider
Super Fantasy Zone
Tetris
Thunder Force 3
ToeJam & Earl
Vectorman
Virtua Fighter 2
Wonder Boy in Monster World
World of Illusion Starring Mickey Mouse and Donald Duck

 

Jogabilidade

No quesito desempenho, o Sega Genesis Mini é impecável e simula sem esforço tudo o que os jogos têm a oferecer incluindo uma opção de salvamento que pode ser acessada diretamente do controle e guarda o jogo em qualquer ponto. Essa é uma ferramenta essencial para desfrutar os títulos sem a necessidade de sempre começar do início e que teria sido muito útil 30 anos atrás.
O console conta com o chipstet ARM-based SOC ZUIKI Z7213 com 256 MB de memória RAM e 512 MB de memória flash o que é suficiente para armazenar jogos do Mega Drive que, dependendo do título, tinha entre 1 e 2 MB de tamanho total fazendo com que a arquitetura projetada suportasse bem os games e oferecesse desempenho.

Todos os jogos mantêm a resolução padrão 304×224 que era a resolução dos árcades na época que podem ser expandidas para 1280×800 com a conexão HDMI. Em televisões com mais de 50 polegadas, os pixels podem ser mais facilmente notados por perderem um pouco da resolução sendo exibidos na tela em forma de quadrados levemente distorcidos. Ao conectar o vídeo game em uma tv de 75 polegadas, foi possível ver os pixels se movendo mais claramente em objetos do jogo como o escudo protetor do Sonic e as asas de insetos. Esse aspecto da qualidade da resolução não é um ponto negativo uma vez que jogos de três décadas atrás não eram feitos para rodar em grandes telas e, por isso, não configura um problema, mas mais um aspecto de uma identidade brilhante.

A qualidade sonora tanto do tema de seleção de jogos quanto das trilhas sonoras se mantém intactas e com execução fluida através do chipset oferecendo ainda um “bônus” adicional quando conectado a televisores ou sistemas de áudio que disponibilizam mais canais de som. Na modalidade Stereo ou 5.1 é possível ouvir mais nuances das trilhas que não eram reproduzidas em televisores antigos que tinham somente dois canais de áudio como a icônica música do Special Stage de Sonic 2 que em que os arranjos de fundo são mais perceptíveis. Nesse sentindo, é interessante notar o trabalho da empresa com o Yamaha YM2612 que era um sintetizador com seis canais de áudio e superior aos modelos da época.

Hardware

O chipset da empresa Zouk tem como principal característica a personalização e a flexibilidade para alterar o processamento de dados e seus similares são muito populares em sistemas atuais de vídeo games clones que são lançados em grande quantidade no mercado. Após três meses de lançamento, foi disponibilizado na internet pacotes com programas de hackeamento permitindo aumentar a biblioteca com os jogos desejados. Tendo em mente que o vídeo game não possui uma memória extensa e tem como principal meta celebrar uma marca, a opção de hack é bastante duvidável uma vez que é possível obter outros jogos do Mega Drive de forma mais simples a até gratuita.

Controles Retrô

Em conjunto com toda a habilidade de rodar jogos, a plataforma oferece dois controles tradicionais de três botões para que a diversão seja idêntica ao passado permitindo convidar amigos e familiares para desfrutarem de um retorno aos anos 90.
Os controles são fiéis aos originais com o logo do Genesis ao centro e relativamente mais leves, que poderá ser sentindo imediatamente pelos mais adeptos, além de botões com um pouco mais de sensibilidade e maciez causando uma reposta mais rápida. A novidade fica por conta da conexão USB substituindo os antigos pinos de metal oferecendo um estilo mais moderno além do logotipo da Sega impresso no conector e na traseira. Ainda mantendo o espírito nostálgico, a empresa do Sonic optou por controles com fio que possuem um tamanho razoável para jogar a uma certa distância do monitor, mas um controle wireless também seria uma escolha acertada e que agregaria mais valor tecnológico para o vídeo game.

Como um toque especial ao fiel público, a Sega lançou juntamente com o vídeo game uma réplica do Mega Cd e 32X que eram periféricos que aperfeiçoavam o desempenho do sistema gerando mais potência e gráficos tridimensionais. Os acessórios não obtiveram êxito no mercado tornando-se peças de colecionador, mas em uma proposta nostálgica, cabem perfeitamente como um belo acréscimo mesmo que sejam somente representativos e valem mais como item de luxo para exibição.

A essência ainda está lá…

A celebração dos trinta anos do lançamento do Mega Drive completa oito meses e foi recebido com entusiasmo e críticas positivas por especialistas de vários países colocando a Sega em um patamar merecido de qualidade e competência. O console pode ser encontrado por U$D 59.99 nas principais lojas do varejo norte-americano e é vendido no Brasil principalmente por importadoras (a revenda oficial estava esgotada até o fechamento desta matéria) a um preço médio de R$ 800,00. É um investimento que vai além do dinheiro e que carrega um alto grau de significação e história e que honra todo um grupo de jogadores que passaram por esse momento. Os novatos podem se sentir acolhidos e aproveitar uma viagem no tempo narrado pelos mais experientes que certamente será uma experiência única principalmente para aqueles que se consideram verdadeiros gamers.
A palavra de ordem que rege o saudoso vídeo game é nostalgia e será nela que você vai investir seu valioso dinheiro em busca de diversão com categoria e muito saudosismo. Trata-se de um console altamente direcionado ao público mais entusiasta que tem intenções de guardá-lo em um box de exposição iluminado para sempre lembrar do orgulho de ter feito parte de uma geração que traduzia identidade e carisma em forma de pixels coloridos.

Veredito

Combinando tecnologia, praticidade e bom gosto, o Sega Genesis Mini é uma verdadeira carta de amor para os fãs e um doce primeiro encontro para toda uma nova geração. Oferece um investimento que retorna nostalgia e orgulho de uma geração que viveu uma guerra onde as armas eram ideias e personagens inesquecíveis que até hoje são lembrados como símbolos de uma época.

 

COMENTÁRIOS

Loading Facebook Comments ...