Análise | Ghost of Tsushima: Director’s Cut traz novo cenário e upgrade no Playstation 5

Postado em

Categoria: Artigos, Games, Review

Compartilhe:

Ghost of Tsushima: Director’s Cut traz nova DLC, melhorias gráficas e de performance, mas será que vale a pena voltar a jogar um dos melhores jogos de Playstation 4? Confira nossa análise.

Ghost of Tsushima foi uma grata surpresa no Playstation 4, agora na atual geração, recebeu um DLC das Ilhas Iki, trazendo um pouco mais da saga criada pela Sucker Punch, o samurai Jin Sakai está melhor do que nunca nesta expansão, nela temos seu próprio enredo, personagens, missões paralelas e atividades.

Iki apresenta uma história pessoal, enquanto Jin é forçado a aceitar seu passado. Jin já era um protagonista sólido no jogo principal, mas a expansão dá a Jin uma dimensão extra, permitindo que sua personalidade respire um pouco melhor. Em parte, isso se deve ao fato de Iki parecer mais solitário; os personagens coadjuvantes do jogo principal não estão por perto, então o foco está em Jin em mergulhar de vez em seu passado e enfrentar seus medos. Iki é uma ilha que o samurai não conseguiu conquistar e, portanto, é o lar apenas de bandos dispersos de bandidos e piratas. Em termos de escala, Iki é aproximadamente do tamanho do mapa do ato final da campanha principal.

Não pense que esta expansão é apenas uma viagem curta, levamos cerca de 20 horas para conhecer mais de Jin e vasculhar cada canto do mapa, mas sentimos que ainda podemos aproveitar mais do visual e da viagem com o Samurai.

Sobre a história e jogabilidade das Ilhas Iki

Jin tem um interesse muito pessoal em tudo isso, e é atacado por um xamã mongol chamado Ankhsar Khatun, a Águia. – um líder de clã Mongol que usa venenos e misticismo. Assim como em Tsushima, o objetivo final de Jin é livrar Iki dos invasores mongóis, mas os métodos da Águia dão à expansão um tipo de tom diferente. Jin não apenas tem que enfrentar novos tipos de inimigos mortais, mas também tem que lutar contra visões de pesadelo, por meio de um artifício da trama, ele esbarra nela quase que imediatamente. A Águia rapidamente estabelece uma espécie de vínculo psíquico com Jin para que ela possa assombrar os cantos de sua mente e incomodá-lo telepaticamente.

Já na parte da jogabilidade, se você jogou o game base, não vai passar nenhum apuro, a fórmula continua a mesma, mas se ainda não jogou, pode iniciar por esta versão do game pois ele te ajuda e mostra tudo que é possível fazer neste vasto mudo de Ghost of Tsushima, embora acrescente à mecânica existente com novos equipamentos, que reforçam estilos específicos de jogo. Dado que a expansão pode ser acessada quando você atinge o Ato 2 na campanha principal. Outro ponto que notamos nesta versão, é aque a Ilha Iki não tem muitos moradores como na principal, mas você sempre terá alguém próximo para lhe conceder uma missão secundária, eles praticamente se movimentam junto com o personagem, para não precisar realizar uma viagem apenas para algo mais simples de resolver, fique tranquilo que isso não quer dizer que você será seguido durante sua aventura, mas notamos este tipo de movimentação neste tipo de missão.

Falando das melhorias que o game trouxe para a atual geração com o Playstation 5, além dos visuais e a performance que o game recebeu, uma das grandes melhorias fica com o feedback tátil dos controles, algo que você apenas consegue sentir ao utilizar, mas já adianto que é algo que faz você contemplar a evolução em relação a geração anterior. Desde aos combates com armas brancas, até mesmo ao galopar do cavalo você consegue reconhecer esta nova forma criada pela Sony, mas claro que se você não se adaptou a este recurso, basta acessar as opções e desligá-lo.

Outro grande ponto que chegou com esta versão, é que você pode jogar o game em japonês, com legendas e sincronização labial em japonês. Na versão PS4, você poderia mudar para áudio japonês, mas a sincronização labial foi pré-renderizada em inglês. Esta adição traz uma imersão enorme para sua jornada, vale a pena jogar tudo novamente para notar como a experiência é diferente, não que a anterior fosse ruim, muito pelo contrário, mas agora ter a chance de jogar desta maneira, trouxe mais vontade em revisitar o game por completo.

A versão de PS5, é bem parecida com a jogada no Playstation 4 Pro, com algumas melhorias, o menu foi o local que também recebeu um upgrade e deixou a navegação mais clara. Lembrando que vale a pena aproveitar o game com uma televisão que aceite o 4K com os 60 fps, outro ponto que notamos, é que o game não leva o Playstation 5 ao máximo, como acontecia na geração anterior, no jogo base, testamos tanto no Pro quanto na primeira versão “fat”, nessa sentimos que o Playstation 4 estava sendo utilizado ao máximo, agora nesta nova versão, o hardware do Playstation 5 se manteve integra e não gerou barulho como na nossa primeira experiência em Ghost of Tsushima.

Vale a Pena?

Essa versão do diretor vale a pena tanto para quem já jogou a versão de Ps4, quanto quem deseja iniciar a aventura no Playstation 5, Ghost of Tsushima se mostrou que a série tem bastante folego e com o novo hardware da Sony, a experiência só melhorou, vale a pena continuar a aventura de Jin e quem sabe, uma continuação, não é mesmo?

Nota: 9,5

COMENTÁRIOS

Loading Facebook Comments ...